Insônia


Por: Rodrigo

07 de Outubro de 2018

As doenças da “mente” a cada ano que passa, estão cada vez mais acometendo a população, mas o problema não para por aí… podemos observar também, que cada vez mais, os adultos e adultos jovens estão sendo vítimas desse conjunto de doenças, que didaticamente as denomino de “doenças da mente”.

Podemos citar como exemplos: depressão, ansiedade, síndrome do pânico, estresse, bulimia, anorexia, bullying, entre diversas outras. No caso deste artigo, iremos abordar um pouco sobre a insônia.

Objetivos do artigo:

  • Orientar sobre os fatores que pioram a insônia.
  • Sugerir algumas opções de hábitos de vida saudável (com responsabilidade).
  • Alertar sobre os benefícios e malefícios: mudança de hábitos x medicamentos.
  • Te ajudar na decisão sobre aderir ou não ao tratamento proposto.
  • Apresentar um dos melhores programas do mercado para o combate à insônia.

Há uma diferença entre insônia e apneia do sono. Ambos geram prejuízos na qualidade de vida das pessoas, entretanto, a diferença básica entre as duas comorbidades se dá no tratamento, que é diferente entre os dois casos.

Basicamente, a apneia do sono (como o próprio nome diz), é a cessação do fluxo de ar pelas vias áreas por um determinado período durante o sono, ou a sua diminuição (via aérea obstruída parcialmente), que no final irá gerar uma má qualidade do sono.

Por outro lado, a insônia é a dificuldade em dormir ou manter o sono contínuo (sem interrupção durante a madrugada), mantendo a pessoa acordada.

Independente de qual seja o seu caso, uma coisa é fato: as duas comorbidades geram um grande prejuízo na qualidade de vida dos nossos pacientes, pois passar o período diurno (durante anos e anos) com sono, gera uma sensação de fadiga, impotência e até mesmo perda da produtividade, seja nos estudos ou no emprego.

Nosso objetivo aqui (tratando-se de insônia) é trazer algumas dicas simples, além de apresentar um ótimo programa ao final do artigo, que poderão te ajudar a combater essa enfermidade, mas antes de tudo, gostaria de dizer que grande parte dessas dicas, estão relacionadas a mudança nos hábitos de vida.

Por este motivo, não é tão fácil alcançarmos êxito no tratamento, pois há uma tendência ao abandono do tratamento por parte do paciente, contudo e de longe, o tratamento comportamental em geral, é melhor que o uso de drogas psicoativas (guardamos estas para casos refratários ou de difícil controle).

Eis aqui algumas dicas a serem tentadas, para combater a insônia:

  • Televisão, computador, tablet e celular: não utilize esses aparelhos nos últimos 30 minutos antes de dormir, pois a luz emitida por esses aparelhos lhe deixará em um estado de maior alerta.
  • Rotina de sono: tente se organizar, para começar a dormir e acordar todos os dias no mesmo horário.
  • Atividade física: além de fazer bem para a saúde, se realizada 6 horas antes de dormir (durante 30 minutos a 1 hora), isso será o suficiente para que o gasto de energia seja recompensado com uma bela noite de sono.
  • Quarto aconchegante: o seu quarto deverá estar isento de barulhos, de preferência com uma temperatura adequada e escuro. Nestes casos, vale a pena avaliar se o seu colchão e o seu travesseiro estão novos ou que não lhe incomode.
  • Nicotina, álcool e cafeína: são produtos energéticos (estimulantes), logo você quer é o efeito contrário.
  • Relaxar momentos antes de dormir: uma boa leitura poderá ser uma boa dica, porém… Como a filosofia do Vida Útil é produtividade acima de tudo…
  • Anotar suas ideias na agenda: é isso mesmo que você está lendo… Minutos antes de dormir é recomendável atividades relaxantes, então nada melhor que transcrever suas ideias na agenda (de papel é claro), principalmente se você estiver “inspirado” ou empolgado com algum novo projeto. Pode ser ideias que vão desde “não esquecer de comprar alface amanhã”, “refrão de música ou poesia de autoria própria” ou até mesmo ideias empreendedoras do tipo… “vou estudar tal assunto para determinado nicho, buscar essa fonte no Vida Útil (brincadeirinha), analisar o meu público além da minha concorrência, e começar a investir a partir de um determinado ponto, com o objetivo de ter uma renda extra…”

Posso assegurar, que como médico (que sou), principalmente do SUS, onde meu fluxo de pacientes diários é enorme…

É muito alto o número de queixas de pacientes que me procuram, pedindo os famosos “remedinhos para dormir”, e olha que boa parte destes pacientes são jovens e adultos jovens.

A minha conduta inicial é a de sempre tentar incentivar a mudança no estilo de vida, focando nos principais pontos já citados acima.

Em último caso, após o retorno (2º consulta), com o feedback do paciente sobre alterações nos hábitos de vida, será indicado o uso medicamentoso.

Infelizmente, devo fazer um alerta: ao iniciar com alguma droga psicoativa, tenha sempre em mente que o ideal, é se preparar para cessar um dia, ou seja, ter uma data de validade para o seu desmame.

O que mais vejo são pacientes que fazem o uso dessas drogas, há anos e anos… Com um péssimo detalhe… A cada nova consulta, aquele remédio ou aquela quantidade (posologia), já está “fraca” e necessita passar para uma droga “mais forte” ou até mesmo, aumentar a dose.

Ao finalizar este artigo, encontrei este ótimo vídeo do Dr. Dráuzio Varella, na qual resolvi compartilhar com vocês, para reforçar o que foi dito aqui.

O Vida Útil espera ter esclarecido algumas dúvidas em relação a esse tema.

Finalmente, o Vida Útil deixa uma sugestão para você que gostaria de mudar os seus hábitos de vida para combater a insônia, de uma forma mais eficiente e aprofundada.